PROTEÇÃO DO MAR

Com 50,7 milhões de pessoas vivendo próximas ao mar e 4 milhões de
famílias, é fundamental construir um modelo que concilie a conservação
ambiental, turismo, atividades econômicas sustentáveis e a preservação
do patrimônio cultural das populações.

As Unidades de Conservação (UCs), mais conhecidas como parques e reservas, são protegidas por lei para resguardar o patrimônio natural e sociocultural. A Fundação já contabiliza o apoio a mais de 500 UCs em áreas de floresta, de costa e de mar, com investimento de R$ 15 milhões.

Proteger os remanescentes de Mata Atlântica significa garantir os benefícios que a floresta nos oferece, entre eles o clima agradável, ar mais limpo, solo saudável e volume de água para abastecer as cidades, além de recursos para diversas atividades econômicas, como agricultura, pesca e turismo.

Iniciativas que a representam

Florestas do Futuro

Resta somente 12,4% da área original de Mata Atlântica e zerar o desmatamento não é suficiente para reduzir os riscos atuais e futuros das mudanças climáticas e desabastecimento de

Atlas da Mata Atlântica

A Mata Atlântica é mais que uma causa, é a razão de existir da Fundação SOS Mata Atlântica. Esse bioma sempre sofreu pressão por conta do povoamento e desenvolvimento

Apoio aos Parques e Reservas

A Fundação SOS Mata Atlântica trabalha pela valorização dos parques e reservas, com a defesa das políticas voltadas para essa área, por meio de parcerias com o setor público

Acesse informações e dados sobre a Mata Atlântica

Leis e políticas públicas prioritárias para esta causa

Os diversos esforços e políticas para conservação da Mata Atlântica culminaram em uma legislação para sua defesa, a única a proteger um bioma brasileiro: a Lei da Mata Atlântica (11.428/2006).